segunda-feira, 1 de junho de 2015

Sole, vento, vino, trallallà

O bom tempo afasta-me, naturalmente, da blogosfera. As horas de computador reduzem-se estritamente às horas de trabalho. No tempo restante, faço tudo para que seja essencialmente, como diria Misa Sapego "sole, vento, vino, trallallà." Além disso, tivemos entretanto o aniversário de Mais-que-tudo, quatro dias após o meu, idas ao Sr. de Matosinhos, jantares e agora no fim-de-semana uma ida à Covilhã para juntar os aniversariantes destes últimos dias: ao todo éramos cinco! 
E isto para dizer que, aos poucos, vou sendo apanhada na curva nestas coisas do Amor, assunto no qual sou muito iletrada.  É que às vezes dou comigo a constatar que certas coisas que me aborreciam em algum ponto ou para as quais costumava fazer um cavalo de batalha, vão adquirindo menor importância. E começo a entender aquela coisada do "estar feliz por ver o outro feliz". É fodido. Devo é estar a ficar velha! 
Ontem também dei comigo a falar "dos miúdos" para me referir a putos de 18 anos. Em seguida dei comigo a pensar "estou a chamar miúdos a jovens adultos". Foda-se já fiz 18 anos há um bocado de tempo...!
Adoro pensar que ainda sou uma catraia com vinte e poucos anos e que estou ainda a tempo de fazer muitas parvoíces. Às vezes dou saltinhos quando ando na rua. E acho que o rabo de cavalo e os óculos me dão um ar de miúda reguila. E até dão! Mas de uma miúda com 32 :)

1 comentário: