segunda-feira, 6 de julho de 2015

Da dor

Já suspeitava mas quando o osteopata me diz, com todas as letras, de que tenho o joelho de uma pessoa de 60 anos que trabalhou no campo, tal e qual com estas palavras, desabei. Já não estava a ser um dia fácil. Já estava no limiar do meu esforço, com as emoções todas à flor da pele, tudo o que fui entupindo nos últimos, prestes a saltar cá para fora. 
O dia tinha começado com uma visita à instituição de apoio animal onde vou prestar o serviço comunitário. Ver ali aqueles animais todos já me deitou por terra. Não que não soubesse ao que ia. Mas o sofrimento alheio, seja ele humano ou animal, mata-me por dentro. E eu já não estava no meu melhor. A isto juntei a consciência de que ao meu curto fim-de-semana e ao meu parco descanso ainda vou tirar mais umas manhãs, acordando bem cedo, e durante uns cinco meses. O almoço terminou com lágrimas e preocupação. Depois veio a consulta. Marquei a consulta "da dor" pois os meus ombros, pescoço e costas não me têm dado descanso. Pensei que ia só para uma massagem. Não pôde ser feita. Chorei e transpirei naquela marquesa. Calcificação na coluna, cervical feita num oito, tecidos inflamados, músculos inflamados, túnel cárpico entupido e tendinite no pulso. Princípios de fibromialgia. E o joelho. E só ouvia "você não pode andar assim, tem de cuidar de si, não pode andar a tratar de tudo e de todos sem cuidar de si. Carrega muitas emoções, tem de deitar isso para fora."
Não é o fim do mundo, claro que  não. Mas pensei "Esforço-me tanto por tudo e por todos, será que a minha "recompensa" vai ser uma velhice antecipada, sem qualidade de vida? Como vai ser a minha vida dentro de 10 anos?" etc., etc., etc.. Já tomei algumas decisões. Vou inscrever-me na hidroginástica. Vou arranjar tempo para isso. Vou arranjar tempo para estar com os meus amigos. Vou dar nota a quem de direito que não posso continuar com o mesmo ritmo de trabalho e responsabilidades. Quarta-feira tenho consulta de ortopedia. Vou saber o destino do meu joelho. Não sei como vou lidar com todas estas coisas. Mas vou lidar. 

Sem comentários:

Enviar um comentário